segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Você é uma pessoa chata? Descubra lendo essa postagem!


Você é uma pessoa chata? Descubra!

Leitora lendo um artigo muito interessante no VB

Você se considera uma pessoa chata? Ah, mas com certeza você conhece pessoas chatas, mas será que você pode ser uma pessoa chata?
A chatice não segue um padrão definido, já que é algo subjetivo e depende de seus círculos de amizades e de suas interações sociais, mas nós podemos montar o estereótipo de um verdadeiro chato baseando-se no senso comum e em nossas próprias experiências de vida.

Seja bem-vindo a mais um VB Artigos. Participe com comentários e torne essa postagem um diálogo, e não um monólogo do Vinic. Não me deixe sozinho!!! (eu acho que estou sendo chato, não?).


  O que é ser chato?

Primeiramente, chatice é algo subjetivo e nem chega a ser uma qualidade intrínseca à personalidade de uma pessoa. O que eu quero dizer é isso: Godofrediano é uma pessoa chata para Laurivaldo, mas é uma pessoa legal para Cremildes. Logo, chatice depende unicamente de quem você se relaciona.
Você já tentou definir realmente o que é ser chato? Para mim, um cara chato é aquela pessoa que não tem nada a ver comigo. Simples, não? O que vamos conversar com pessoas que têm gostos diferentes dos nossos e não curtem o que a gente curte? A conversa vai render? Um vai achar o outro chato, pois cada um vai falar de coisas que o outro não gosta. Veja esse diálogo:

A: Como você classificaria a questão do Oriente Médio como um autor no cenário global capaz de mover o jogo de poder do Sistema Internacional?
B: O que você disse?
A: Ora, por exemplo, desde o arranjo da Guerra Fria, vivemos em tempos polarizados ideologicamente, onde os protagonistas escolhiam os coadjuvantes do cenário global para concretizarem suas ideologias numa perspectiva prática, cada lado tentando estender sua esfera de poder e de influência. Hoje em dia, podemos ver os reflexos dessa postura.
B: ah, sim...
A: Aliás, acredito piamente que essa polarização tem se configurado às suas feições anteriores, visto que as bases ideológicas se atualizam conforme o tempo, mas mantêm seus pilares principais, seus fundamentos principais. O que você acha?
B: Hein? Ah, sim... Eu concordo.
A: Ótimo! É tão bom saber que alguém concorda comigo! Podemos conversar mais amanhã. O que você acha?
B: Humm... Amanhã? Estarei um pouco ocupado.
A: Fazendo o quê?
B: Bem, muitas tarefas.
A: De que tipo?
B: Daqui da facul mesmo.
A: Você está fazendo o quê?
B: Cadeiras de física...
A: Humm... Boa sorte pois você vai precisar. Afinal, somente duas pessoas do ano passado passaram. Todos os anos é assim. 
B: É mesmo?
A: Claro! Vários colegas meu desistiram. Teve um que enlouqueceu.
B: Puxa...
A: É que o professor gosta de reprovar os alunos. Já tentaram despedir ele, mas não conseguiram. Você está ferrado. Você vai se dar mal. Poderia ter escolhido qualquer outra coisa.
B: Poxa...
A: Você é literalmente um azarado mesmo. Qual seu time?
B: Grêmio.
A: Vai assistir o jogo amanhã?
B: Não vou poder... Estarei em aula.
A: Poxa, que pena...
B: Tenho que ir.
A: Por quê?
B: Porque sim.
A: “Porque sim” não é resposta.
B: Tenho que ir no enterro de minha tataravô.
A: Poxa, que triste... Ela morreu como?
B: Afogada.
A: Poxa, deve ser horrível morrer afogado, não conseguir respirar, ficar sem oxigênio. Sua tataravô deve ter sofrido muito. Que pena... Ela não sabia nadar?
B: Não.
A: Você poderia ter ensinado para ela e ter evitado com que isso tivesse acontecido. Mas ela morreu em pouco tempo ou ainda tentou resistir?   
B: Ela não se afogou na piscina. Ela se afogou caindo na caixa d'agua. É uma longa história. 
A: Nós temos o tempo todo do mundo.
B: Temos não. Preciso ir. 
A: Por quê?
B: Tchau
A: Hein?
B:...
A: Nossa, que cara chato... Nem se despediu direito. 

Aqui podemos ver algumas características de um perfeito chato que não está percebendo que está sendo chato! Claro que, como eu disse, a chatice é algo subjetivo, mas é possível montar um estereótipo de um verdadeiro chato.

A conversa em monólogo: o chato nunca percebe que está falando sozinho. Quem ouve é quem sofre, que geralmente dá sinais de vida falando “hein”, “aham”, “sim”, “claro”, “concordo” e outros termos vagos como esses... Logo, se você conversa com uma pessoa e ela se limita a confirmar coisas vagas e só você fala, então tem alguma coisa errada. Quem gosta de uma conversa não é ouvinte: sempre participa junto. Logo, se você for conversar com uma pessoa e só você está falando, experimente mudar de assunto por mais legal que seja para você. Pergunte a ela do que ela gosta de ver na TV, quais séries ela assiste até vocês encontrarem um ponto em comum e começarem a conversar.

Não motiva nenhum pouco: o chato não sabe motivar e, às vezes, consegue desmotivar, te jogar para baixo. Isso faz parte da falta de compreensão da pessoa e do seu pensamento voltado para si mesmo. Logo, não é culpa dela: é defeito mesmo. Se você quer ser uma pessoa mais legal, passe a motivar mais as pessoas. Afinal, quem não gosta de receber umas palavras de encorajamento? Você é capaz de encontrar no diálogo do “A” e do “B” onde isso ocorre?

Intrometido: Pessoas intrometidas costumam ser chatas. Perguntam coisas desnecessárias com que objetivo? Simplesmente, para ficar sabendo. Sugam a sua paciência para nada. Você é obrigado a respirar fundo e responder. Se você der uma indireta, elas não entendem. Evite ser intrometido: basta não ser a agenda da pessoa. Evite perguntar o que ela vai fazer ou vai deixar de fazer e cuide mais da sua vida!

Incompreensível: O chato, com o mesmo poder de desmotivar, não compreende o outro lado da pessoa.Uma vez eu bati a cabeça e fui para o colégio com um galo na cabeça. Como é terrível responder a cada 5 minutos a mesma pergunta: “Ih, cara! O que aconteceu aí? Você bateu a cabeça?”. Imagine se a cada cinco minutos vem alguém que você mal conhece e pergunta “você bateu a cabeça?”. Tudo bem se a pessoa que perguntou tem afinidade com você e é sua amiga, agora o que dizer daqueles que nunca falaram com você e simplesmente querem saber por curiosidade? Não é algo chato? Não é algo de típicas pessoas incompreensíveis e, além disso, intrometidas?

O chato consegue te irritar: o verdadeiro chato é aquele que, acima de tudo, te irrita. Ora, podemos perceber isso durante uma conversa, por exemplo. Se somente você fala durante a conversa e seu ouvinte parece desconfortável e passa a ser seco com você, então você pode estar o irritando. Na verdade, o que irrita uma pessoa por causa da chatice de outra foram todas essas características que nós vimos de um modo geral.

Com essas cinco características, você pode evitar ser uma daquelas pessoas bem chatas mesmo. É claro que tem outras variantes. Você é uma pessoa que sempre está mau humorada e nada te alegra, você é uma pessoa chata, por exemplo. Orgulhoso demais? É chato. Humilde demais? É chato. Certinho demais? É chato. Educado demais? É chato... Repetitivo demais? Muito chato...
 O excesso de qualquer coisa pode te fazer uma pessoa chata. Mas acredito que essas cinco características que eu listei, ilustradas no diálogo entre o “A” e o “B” já são suficientes para evitar que você seja uma pessoa chata.

Na maioria das vezes, a gente aprende métodos e formas de fugir de um chato. Agora, nós precisamos ver o outro lado da moeda, virar o anverso para o reverso e tentar perceber se nós estamos chateando alguém também.