quarta-feira, 10 de março de 2010

Descomplicando a Primeira Guerra Mundial (última parte)

O fim da Primeira Guerra



Nós vimos, nas postagens anteriores, as causas da Primeira Guerra, como tudo aconteceu e os pontos importantes a considerar. Hoje, nós veremos como tudo terminou.


Os Estados Unidos

Os Estados Unidos se mantiveram neutros durante o conflito. Enquanto o “bicho” pegava, os EUA resolveram fazer algo mais “inteligente”: se o bicho está pegando lá, os países precisam de recursos para combater, precisam de armas, de munição e etc. Percebendo isso, os EUA começam a vender armas e alimentos para seus aliados, enriquecendo com toda essa venda.

Porém, a Alemanha estava indo muito bem na guerra: os russos tiveram graves problemas e saíram da guerra: estavam enfrentando um verdadeiro colapso. Com um rival a menos, a Alemanha começou a avançar para o oriente para dar um xeque-mate na França. E se a Alemanha vencesse? Ela se tornaria uma grande potência e poderia partir para cima dos EUA também.

Por isso, os EUA entraram na guerra para conter a Alemanha, ou seja, para conter uma futura potência europeia que poderia ameaçar os americanos. Apesar das propostas de paz, os aliados se juntaram e deram um ataque definitivo, derrotando a Alemanha, que entrou em colapso.

Os países vencedores se reuniram em Paris e, assinando o Tratado de Versalhes, decidiram o que fazer com os derrotados. A grande derrotada da história foi a Alemanha e os vencedores exigiram dela:

1) Ceder as minas de carvão do Sarre à França durante 15 anos
2) Entregar suas colônias, submarinos e navios para a Inglaterra, França e Bélgica
3) Pagar uma indenização enorme aos vencedores (nada menos do que 33 bilhões de dólares)
4) Reduzir a força de seu exército, sem poder fabricar armas e proibida de criar uma força aérea.

Essas foram algumas das exigências (há outras). Desse jeito, a Alemanha foi praticamente humilhada, causando um choque em sua população e entrou numa crise. Havia gasto muito com a guerra e agora, saindo derrotada, tinha todas essas exigencias para cumprir.



Nenhum comentário: