domingo, 21 de março de 2010

FIM DO VB (2007-2010)

Regra do uso do "s", do "ç", do "ss"....

Como se escreve: sumisso, sumiço ou somisso? Está na dúvida também? Bom, saiba que sua dúvida é normal, pois existem toneladas de regras para o uso do “s”, do “ç”, do “ss”, do “z”...

O certo é “sumiço”, com “ç”. Para tirar as dúvidas de uma vez por todas, aí vão algumas explicações:

1) Quando usar “ç”?

Em palavras terminadas em TO, TOR, TIVO, após ditongo (com som de “s”) e derivados da palavra TER.

Exemplos:

Canto => Canção (terminado em TO)
Infrator => Infração (terminado em TOR)
Intuitivo => Intuição (terminado em TIVO)
Reter => Retenção (derivados da palavra TER)
Eleição (som de “s” após ditongo)

2) Quando usar “s”?

Em derivados de verbos terminados em NDER, NDIR, ERTER, ERTIR, PELIR, CORRER, em palavras terminadas em ASE, ESE, ISE, OSE (exceções: deslize, gaze), em palavras terminadas em OSO, OSA (exceção: gozo) e em substantivos femininos terminados em ISA.
Exemplos:

Pretensão => vem de “pretender” (terminado em NDER)
Expansão => vem de “expandir” (terminado em NDIR)
Inversão => vem de “inverter” (terminado em ERTER)
Diversão => vem de “divertir” (terminado em ERTIR)
Expulsão => vem de “expelir” (terminado em PELIR)
Concurso => vem de “concorrer” (terminado em CORRER)
Frase => terminada em ASE
Tese => terminada em ESE
Crise => terminada em ISE
Osmose => terminada em OSE
Horroroso => terminado em OSO
Gostosa => terminado em OSA
Profetisa => substantivo feminino terminado em ISA.

3) Derivações

3.1) Quando utilizar o sufixo INHO, usa-se “s” se a palavra de origem tiver “s”. Se não tiver, se usa “z”.

Exemplos:

Casa => Casinha (com “s” pois a palavra de origem tem “s”)
Pão => Pãozinho (com “z” pois a palavra de origem não tem “s”).

3.2) O mesmo ocorre para ISAR ou IZAR.

Exemplos:

Improvisar => com “s” pois vem de “improviso”, que é escrito com “s”.
Aterrorizar => com “z” pois vem de “terror”, que não é escrito com “s”.

3.3) As palavras derivadas do verbo CEDER serão escritas com CESS.

Exemplos:

Conceder => Concessão
Exceder => Excesso

3.4) As palavras derivadas de verbos terminados em PRIMIR serão escritas com PRES.

Exemplos:

Imprimir => Impressão
Deprimir => Depressão

3.5) As palavras derivadas de verbos terminados em GREDIR serão escritas com MISS ou MESS.

Exemplos:

Comprometer => compromisso
Prometer => promessa

4) Quando usar o “j”?

4.1) Em conjugação dos verbos terminados em JAR.

Exemplos:

Que eles viajem => viajar
Que a bicicleta não enferruje => enferrujar

4.2) Palavras derivadas de palavras terminadas em JA:

Lojista => loja
Canjica => canja

5) Quando usar o “g”?

5.1) Em palavras terminadas em ÁGIO, ÉGIO, ÍGIO, ÓGIO, ÚGIO

Exemplos: pedágio, prestígio, relógio
5.2) Em substantivos terminados em GEM:

Exemplos: a viagem, a ferrugem.


Referências: blog “Fala Bonito”

sexta-feira, 19 de março de 2010

Descomplicando a Bolsa de Valores (Parte 2)

“... investir na bolsa é como ‘brincar de banco imobiliário’. Tem que ter estratégia e investir na coisa certa. Ninguém te garante que o preço da ação suba... ou que alguém a compre...”

Muito bem, falamos no outro post sobre a bolsa de valores. Começamos vendo o que são ações empresarias e por aí fomos. É claro: tudo numa linguagem mais simples e mais atrativa para você, sem lero-lero e blá blá blá. Vamos continuar então nossa viagem pelas bolsas de valores.

2º COISA: O Jogo


Vimos que as bolsas de valores funcionam como um camelódromo “chique”: é gente gritando pra lá, gritando pra cá, vendendo e comprando ações empresarias. Bom, vamos detalhar melhor esse processo agora.

Você pode investir na bolsa e obter lucros (ou não). Parece mais um joguinho de banco imobiliário, é bem interessante, a coisa é real. As ações (pedaços de empresas) possuem seu valor, seu preço, que obviamente aumenta e diminui. Você pode, assim, comprar uma ação por 30 reais e esperar o preço dela aumentar para 70, por exemplo, vendendo por 70 e lucrando 40 reais. Não é bacana? Mas ninguém te garante que o preço vai subir. Você pode comprar uma ação por 30 e o preço dele cai pra 20 e não subir mais, ou o preço sobe pra 100 reais mas ninguém compra. Portanto é um negócio que tem que ter muito jogo de cintura, muita estratégia.

Se você investir na sua ação, ou seja, na sua fatia de empresa, você também pode lucrar mas aí o lucro é a longo prazo, ou seja, vai demorar pra ganhar o dinheiro. O lance é comprar ações na hora certa e vender, tudo isso com muita estratégia. Você pode ganhar dinheiro da noite pro dia... ou perder tudo...


Quando o preço das ações das 100 empresas mais destacadas sobem a bolsa “fecha” em alta, com tantos por cento positivo. Quando o preço das ações caem é um mal sinal e a bolsa termina o dia em queda. Por isso que todo dia aparece nos noticiários “Bovespa em alta, Bovespa em queda...”. Em alta significa que as ações foram valorizadas, ou seja: você é dono de uma loja e seus produtos são valorizados, então você aumenta o preço para lucrar mais. Em queda, é tudo isso ao contrário: as ações não foram valorizadas.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Descomplicando a Bolsa de Valores


 “...monte de gente se amassando, gritando com um telefonezinho, se esmigalhando, correndo, se chutando... o que eles estão fazendo?”


Você é um daqueles que sempre teve curiosidade de entender a bolsa de valores mas acha aquilo um negócio meio complexo, difícil de entender? Pois é, eu também. Nunca entendi o por quê daquele monte de gente se amassando, gritando com um telefonezinho, se esmigalhando, correndo, se chutando, essas coisas de “capitalismo”, “mercado”.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Gramaticando Acentuação


Gramaticando: Acentuação

A acentuação tem tudo a ver com sílabas tônicas.

1) Como descobrir a sílaba tônica?

A sílaba tônica se encontra entre as três últimas sílabas. Portanto, não invente moda de encontrar a sílaba tônica na 4ª ou 5ª sílaba de trás para frente.

Pronuncie a palavra “esticando” a sílaba, ou seja: grite a palavra, como se estivesse brigando com alguém

Exemplo: cafezinho.

Opção 1: CAFEZINHOOOOOOOOOOOO!!!
Opção 2: CAFEZIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIINHO!!!
Opção 3: CAFEEEEEEEEEEEEEEEZINHO!!!

A opção 2 ficou mais de acordo. Portanto, a sílaba tônica é a segunda de trás para frente.

2) Classificação

Oxítona: é a última sílaba a mais forte (tônica)
Paroxítona: é a segunda sílaba de trás para frente que é tônica
Proparoxítona: é a terceira sílaba de trás para frente que é tônica
Monossílabo Tônico: se a palavra for formada por uma única sílaba e ela for tônica

3) Acentuação

3.1) Você acentua as oxítonas terminadas em: “a”, “e”, “o”, “em”, “ens”.

Exemplos: TAMBÉM (terminada em “em”), VOCÊ (terminada em “e”), MARACUJÁ (terminada em “a”)

3.2) Você NÃO acentua as paroxítonas terminadas em: “a”, “e”, “o”, “em”, “ens”. Do contrário, acentue.
Exemplos: CÔNSUL, FUSÍVEL, FÁCIL, TÁXI, LÁTEX, ÍMÃ (termina em “ã”, não em “a”. Portanto, acentua também).

Exceção: se a palavra for paroxítona e terminar em ditongo, você acentua.

Exemplos: DECLÍNIO, REVOLUCIONÁRIO.

3.3) Se for proparoxítona, manda ver! Todas as proparoxítonas são acentuadas.
Exemplos: PRÓXIMO, HISTÉRICA

3.4) Monossílabos tônicos: acentua os terminados em A(S), E(S), O(S).
Exemplos: CHÁ, VÁ, PÉ, MÊS, PÓ

3.5) UM CRIME!!! O trema foi ASSASSINADO!!! Não existe mais trema!! Olhe como fica “bonito”:

TRANQUILO, LINGUIÇA, DELINQUENTE...

Exceção: palavras estrangeiras (ex: Gisele Bündchen).

3.6) Acento diferencial: também foi assassinado pela Nova Ortografia

EXCEÇÃO: poder (ele pôde ir ontem; ele pode ir amanhã), por (pode pôr isso em cima da mesa; venha por esse caminho), parar (pára esse carro agora!; isso é para você), forma (ponha a massa na fôrma; esse bolo tem a forma de uma bola).

Piada (Joãozinho)

A professora pergunta ao Joãozinho:


"A frase eu sou bonita está em que tempo?"

...e ele respondeu:

terça-feira, 16 de março de 2010

Gramaticando Fonética (Parte 2)


Gramaticando: Fonética (Parte 2)

Na postagem passada vimos o que era dígrafo e algumas regras. Hoje, continuaremos com a “decoreba”.

1) Encontros Vocálicos


1.1) Ditongo

É quando duas vogais se juntam na mesma sílaba.

Exemplos: FARMÁCIA (IA), PARTIU (IU)

1.2) Ditongo Crescente e Decrescente

Se nesse encontro a vogal estiver depois da semivogal, então o ditongo será classificado como crescente (Ex: FARMÁCIA). Se a vogal estiver antes da semivogal, então o ditongo será classificado como decrescente (Ex: PARTIU).

Lembre-se: a semivogal é a vogal com um som mais curto na pronuncia.

2) Tritongo

É o encontro de uma vogal com duas semivogais na mesma sílaba.

Exemplos: AGUEI (UEI)

3) Hiato

É o encontro de vogais em sílabas diferentes.

Exemplos: PIADA (PI – A – DA)

segunda-feira, 15 de março de 2010

Gramaticando Fonética (Parte 1)

Gramaticando: Fonética

O que você tem que saber em Fonética está aqui:

1) Fonemas

Fonema não é a letra (sinal gráfico), mas sim o som dela. Você vai entender melhor mais para frente, não vou ficar enrolando você aqui.

Os fonemas podem ser classificados em: vogais, semivogais e consoantes.

2) O que é semivogal?

2.1) Quando as vogais E, I, O e U têm o som da pronúncia mais curto ao se juntarem com outra vogal numa mesma sílaba elas viram “semivogais”.

Exemplo:

Na palavra “pátio”, o “I” e o “O” estão na mesma sílaba. Que som você pronuncia de forma mais longa? Você fala “patiiiiiiiiiiiiiiiio” ou fala “patioooooooo”? Claro que é “patiooooo”. Por isso, como o som do “I” é mais curto o “I” é uma semivogal e o “O” é uma vogal.

2.2) Quando a palavra terminar com “em”, “en” ou “am”, o “m” ou o “n” será semivogal também. Pode parecer estranho uma consoante virar semivogal, mas é isso mesmo: a gramática é uma caixinha de surpresas. Quando eu falar em dígrafo eu vou retomar essa ideia.

3) Regras

A Gramática é famosa por regras e exceções. Aqui não será diferente: o negócio, a partir de agora, é pura “decoreba”.

3.1) Dígrafos

Para complicar mais um pouquinho, existem fonemas que são representados por mais de uma letra e por aí vai. Estou falando dos “dígrafos”: duas letras com um fonema. São elas: RR, SS, SC, SÇ, XC, XS, LH, NH, QU e GU (esses dois últimos serão dígrafos quando o “U” não for pronunciado).

Exemplos:

CARRO ( 4 fonemas e 5 letras), NASCER (5 fonemas e 6 letras), TOALHA (5 fonemas e 6 letras), FOGUETE (6 fonemas e 7 letras), AGUA (4 fonemas e 4 letras: o “U” é pronunciado).

3.2) Dígrafos Vocálicos

É, simplesmente, o encontro de uma vogal com “m” ou com “n” numa mesma sílaba.

Exemplo:

SANTO (4 fonemas e 5 letras, pois se lê: SÃTO).

Exceção: como sempre, temos exceção...

Quando a palavra terminar em “am”, “em” ou “en”, o “m” e o “n” serão semivogais.

Exemplo:

DECORAM (7 fonemas e 7 letras: se lê “DEKORÃO”).

Na próxima postagem, vamos falar de ditongo, tritongo e hiatos.

domingo, 14 de março de 2010

Nova Série: Gramaticando

Vocês pediram e aí está: "Gramaticando", a nova série do VinicBlog! Será, futuramente, sua gramática on-line!

Você terá acesso a uma gramática mais obejtiva, da forma mais simples possível, perfeito para aqueles que vão enfrentar o monstro do vestibular ou então quer ir direto aos assunto!

Estréia na Segunda-Feira. Não perca!

sexta-feira, 12 de março de 2010

Descomplicando a Segunda Guerra Mundial (parte 2)

Segunda Guerra (Parte 2)





Vimos na postagem passada a principal causa da guerra. Hoje, vamos ver como tudo aconteceu.

A Alemanha queria expandir suas fronteira, mas a Itália e o Japão também. Com esse objetivo em comum, esses três países se uniram e formaram o Eixo.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Descomplicando a Segunda Guerra Mundial (parte 1)

Segunda Guerra Mundial



Como você acompanhou nas postagens sobre a Primeira Guerra, a Alemanha saiu totalmente destruída, acabada e humilhada. Pelo Tratado de Versalhes, devia pagar os países vencedores, perdeu territórios e não podia se armar.

Nesse estado, o que a Alemanha queria era o “revanche”: um jeitinho de inverter a situação e se vingar. Quem se destacou nesse período foi Hitler, que rapidamente, através de seu discurso, conseguiu a simpatia e a confiança de seu povo. Hitler fez o povo alemão pensar que eles foram oprimidos pela guerra, que foram humilhados e logo conseguiu audiência.

Logo virou um ditador e assassinou seu opositores (“Noite das facas longas”). Com caminho livre e controlando a Alemanha, pôs seu plano em ação: se a Alemanha devia virar uma grande potência, então ele deveria dominar a Europa, conquistando suas terras antes perdidas.

A Alemanha não podia investir em armamento por causa do Tratado de Versalhes, porém começou a se armar e os outros países nem impediram. Começou a crescer e a se expandir, porém os outros países não fizeram nada. Assim sendo, resolveu invadir a região do Reno, recuperando o território perdido. Os outros países, como se estivessem “sem saco”, não impediram. Logo depois, recuperou a região dos Sudetos através de alguns acordos.

Sem perceber, a Alemanha foi se fortalecendo cada vez mais, até que resolveu atacar a Polônia para recuperar mais terras que haviam sido perdidas. Dessa vez, os países abriram os olhos e resolveram agir.
E então, a guerra começou.

Acompanhe as próximas postagens...



quarta-feira, 10 de março de 2010

Descomplicando a Primeira Guerra Mundial (última parte)

O fim da Primeira Guerra



Nós vimos, nas postagens anteriores, as causas da Primeira Guerra, como tudo aconteceu e os pontos importantes a considerar. Hoje, nós veremos como tudo terminou.

terça-feira, 9 de março de 2010

Descomplicando a Primeira Guerra Mundial (parte 2)

Primeira Guerra Mundial: A GOTA D’AGUA




Na postagem anterior, nós vimos as causas da Primeira Guerra Mundial. Hoje, veremos o conflito em si (a gota d’agua e características importantes).

Como a guerra começou?

segunda-feira, 8 de março de 2010

Primeira Guerra Mundial (parte 1)

Descomplicando a Primeira Guerra Mundial (parte 1)



Hoje nós vamos ver as causas da Primeira Guerra mundial (claro: do jeito mais "descomplicado" possível). Concentre-se e leia com calma que você vai entender tudo.

Por que aconteceu?

Descomplicando as Grandes Guerras

O século XX foi um período atribulado. O mundo sofreu, quase de uma vez, as duas maiores guerras de sua história. Teve a primeira, o período entre-guerras, teve a segunda e, ainda não muito "satisfeito", teve a Guerra Fria, que por um triz o mundo não desapareceu com o arsenal atômico, que por um triz você não estaria aí e eu aqui escrevendo.



Como medir a temperatura do sol?

Como medir a temperatura do sol?



Você sabia que, na superfície, a temperatura do Sol chega a 6000 graus celcius? Como você acha que chegaram a essa conclusão? Seria meio difícil chegar lá e aplicar o termômetro: antes de chegar lá já viraria churrasquinho. Então como os caras (cientistas) sabem disso?

sexta-feira, 5 de março de 2010

Nova Série: "Descomplicando"


Entender como funciona a bolsa de valores é um bicho de sete cabeças para você? E a Teoria da Relatividade? Você sabe, ao certo, as causas e toda a desenvoltura das grandes Guerras Mundiais?

Nessa série, abordaremos temas complexos com um único propósito: a comunicação, o pleno entendimento. Você vai ver, só aqui, as coisas DESCOMPLICADAS.

Afinal de contas, para que complicar se pode descomplicar?

A partir da próxima semana, não perca: "DESCOMPLICANDO"

quarta-feira, 3 de março de 2010

O que é "abracadabra"?

O que é abracadabra?



Você já deve ter visto em filmes ou em desenho algum mágico falar as “palavras mágicas”: abracadabra! E então, a mágica dá certo. Mas afinal de contas, o que é “abracadabra”?

segunda-feira, 1 de março de 2010

Como o apresentador do jornal lê ao mesmo tempo que olha pra câmera?


Você já percebeu que, ao ver um telejornal, o apresentador fica olhando toda hora para a tela enquanto fala? Será que o camarada decora todo o texto? Ou ele lê? Mas se ele lê, como o jornalista fica olhando para nós o tempo todo? Como ele consegue ler ao mesmo tempo que fica olhando para a câmera?