segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Quando usar a vírgula? Soluções simples para algo que parece complicado.

Olá, caros leitores do VinicBlog!

(Se você está com pressa, não leia os próximos três parágrafos. Se está com muita, mas muita pressa, vá logo para o final, no "Replay Geralzão").


Tem pessoas que só de ouvirem a palavra “vírgula” já começam a se irritar. Afinal, quando éramos criancinhas, a titia do primário (não estou sendo pejorativo) enfiou em nossas cacholas que a vírgula servia como pausa para respiração: parou, respirou, enfia a vírgula! Depois, com o passar dos anos, nos encheram com regrinhas chatas de gramática que geralmente possuem mais exceções do que as regras propriamente ditas. E então, sentimos raiva do professor, da gramática da língua portuguesa e por aí vai.

Se você está nesse estado, chegou ao lugar certo, pois aqui, se eu expliquei e você não “bulhufadas” nenhuma (é um neologismo, não levem a sério), você tem a oportunidade de comentar sua pergunta e de botar a boca no trombone: nós faremos o possível para você entender.

Bem, a vírgula não é pausa para respiração. Você verá, de forma didática e simples, quando usar a vírgula.


1)REGRA GERAL

Sabendo dessa regra, já é um grande pé na roda (quer dizer, mão na roda) para você. O pulo do gato está aqui:

A VÍRGULA INDICA TERMOS DA ORAÇÃO (=FRASE) QUE MUDARAM DE LUGAR.

A ordem correta de uma frase é:

Sujeito + Verbo + Complemento

Sujeito: indica quem realizou a ação
Verbo: é a ação
Complemento: completa o sentido do verbo (verbal) ou do sujeito (nominal)

Após essa rápida explanação, vamos para os exemplos:

Florentina viajará amanhã.

O sujeito é “Florentina” (pois é ela quem pratica a ação de “viajar”), o verbo é “viajar” e o complemento é “amanhã”.

BELEZA! Podem observar que esses termos estão na ordem certa. Porém, se eu quiser “avacalhar” e trocar algum termo de lugar, a vírgula terá que ser usada para indicar essa mudança:

Amanhã, Florentina viajará.

Observem que tirei a palavra “amanhã” e trouxe para o início da oração. Por isso, usei a vírgula, pois quebrei a ordem natural dos termos da oração.

Mas... CUIDADO!!! PERIGO!!!

NUNCA se coloca vírgula diretamente entre o sujeito e o verbo. Portanto, no exemplo acima, é impossível ter vírgula entre “Florentina” e “viajará”, mesmo trocando a ordem dos termos:

Viajará Florentina amanhã.


Para fixar, veja outros exemplos (dúvidas? Basta fazer um comentário):

Godofredo foi ao cinema ontem.
Ontem, Godofredo foi ao cinema.

Berisberta está aprendendo a tocar violino nesse momento.
Nesse momento, Berisberta está aprendendo a tocar violino.



Essa foi a chamada “regra geral”: é uma espécie de “quebra-galho”. Se ver a coisa complicar, a regra geral pode te ajudar. É importante entender bem a regra geral.



2)Intrusos no meio da oração!

Se algum intruso se enfiar no meio da oração (não é o Pai-Nosso, é a frase), tentando explicar ou esclarecer o sentido dela, então um belo par de vírgulas os prenderão. Se não entendeu coisa nenhuma, vai entender agora:

Cremildo, o padeiro da esquina, só me vendeu pão queimado hoje.

Observe essa expressão: “o padeiro da esquina”. É uma expressão explicativa, que esclarece que o sr. Cremildo é o padeiro da esquina. Ela é uma expressão intrometida pois se tirar ela a oração continua com sentido:

Cremildo só me vendeu pão queimado hoje.

Entenderam agora? Por isso, a expressão “o padeiro da esquina” vem isolada entre vírgulas. Veja outros exemplos:

O homem, que é um ser racional, age como um irracional às vezes.

Perceba que a expressão “que é um ser racional” apenas complementa o sujeito: essa expressão simplesmente “chegou chegando”, se enfiou no meio da oração “sem mais, sem menos” e ficou por ali mesmo. Portanto, ela é uma intrometida e vem entre vírgulas.


3) Separar o que Joãozinho comprou na feira

A “feira” é tão clássica que já está cheirando a defunto: é da época em que a bisavó da minha bisavó era índia e foi laçada por um português (um capitão-do-mato).

“Joãozinho foi à feira e comprou maçã, tomate, pêra, banana e cebola”.

Todo mundo ouviu uma frase parecida quando estudou a vírgula pela primeira vez. Esse é o uso mais famoso da vírgula: separar elementos de mesma função sintática, ou seja, separar elementos que podem ser listados.

Berivaldo, Cleiverton, Pafúncio e Jurandiro estão fazendo o curso de mandarim do senhor Ming Shing Ling e mais alguns “ings”.

Note que os quatro rapazes foram separados por vírgula, pois eles podem ser enumerados ou listados. Trata-se de elementos com a mesma função sintática.

Lista dos alunos do curso de mandarim: Berivaldo, Cleiveirton, Pafúncio e Jurandiro.

Outros exemplo:

Osvaldiano Saturniano viajou para os seguintes países: Londres, Paris, Portugal, Estados Unidos e Egito.

Nós podemos listar os países visitados por Osvaldiano. Portanto, são separados com vírgulas.


4) Mas, porém, contudo, todavia...

A vírgula sempre será usada antes de algumas “palavras mágicas” (EXCETO se elas vierem no início, começando uma oração).

São elas: , PORÉM, NO ENTANTO, CONTUDO, TODAVIA,MAS, ENTRETANTO ... (os três pontinhos quer dizer: e por aí vai, minha gente).

Exemplos:

Wesleigton estudou muito, mas foi reprovado.

O VinicBlog se esforçou muito para escrever essa postagem, entretanto ninguém fez um mínimo comentário de gratidão, xingamento ou elogio (espero que isso não aconteça: por favor, comentem! O que custa? Preciso saber se estou escrevendo para as paredes ou não. Seu comentário nos motiva muito!).


REPLAY "GERALZÃO"
(desculpe a gíria, mas é bom dar uma descontraída, não é verdade?)

Se usa vírgula...

1) quando um termo da oração sair de sua ordem
2) quando uma expressão explicativa se intrometer na oração
3) para separar termos de mesma função sintática (que podem ser enumerados ou listados)
4) antes de conjunções adversativas (entretanto, contudo, no entanto...)



Um vídeo interessante sobre o assunto:




Espero ter contribuído para fazer você compreender o uso da vírgula. Qualquer dúvida, basta fazer um comentário com sua pergunta. Estamos abertos para receber sugestões, elogios e até xingamentos: basta fazer um comentário que o leremos com toda a atenção possível. Não me faça pensar que tudo o que escrevi é inútil ou que não serve para nada: faça seu comentário!

IR PARA DICAS DE GRAMÁTICA DE PORTUGUÊS

FAZER UM COMENTÁRIO