quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

As duas principais perguntas da TV: como se calcula a audiência e como as emissoras ganham dinheiro para se sustentar?

Você já se perguntou como se calcula a audiência da TV? Como você sabe que a Globo é a mais vista, seguida da Record e do SBT? Ficou com dúvida também? E você sabe como as redes de TV se sustentam? Afinal, só ligamos a tv e gastamos energia elétrica, enquanto elas gastam milhares e milhões com salários, tecnologia e programação. De onde vem tanto dinheiro? Se você quer saber, confira esse post abaixo:

COMO SE MEDE A AUDIÊNCIA?

Ao contrário do que muitos pensam, a audiência é medida de uma forma bem limitada: em todo o Brasil, 6 mil televisões são monitoradas nas principais cidades, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Quem mede a audiência é o IBOPE: Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (você deve ter ouvido tanto essa sigla sem nunca saber seu significado). Para isso, conforme dito antes, o IBOPE sorteia alguns domicílios e instala um aparelho (chamado de peoplemeter) nos televisores. Esse aparelho registra tudo: o horário em que a TV é ligada e é desligada, a troca de canais e o tempo em cada emissora. Com os dados, é calculado a audiência em pontos.

Se você não tem o aparelho do IBOPE, então você não estará envolvido no cálculo da audiência.

E COMO AS REDES DE TV SOBREVIVEM?

O que você gasta com a TV é: o preço da TV, manutenção da TV e energia elétrica (além de gastar "as vista"). E o que elas ganham de você? Nada!

O salário da televisão é principalmente a publicidade, que vem principalmente dos comerciais, tanto entre os programas como dentro dos programas. Quanto maior a audiência, ou seja, mais gente olhando um programa, mais caro será cobrado pela publicidade. Para rodar um comercial numa rede de televisão nacional cobra-se muito caro: é questão até de segundos.

Além disso, a TV pode vender horários para outras programações. Quando isso acontece, eles avisam que "a atração a seguir é de responsabilidade de seus idealizadores".



Nenhum comentário: